domingo, 31 de maio de 2009

SISTEMA DE NUMERAÇÃO INDO-ARÁBICO

Coube ao matemático italiano Leonardo de Piza (apelidado Fibonacci ) a glória de ter trazido para a Europa a numeração indo-arábico que veio substituir o complicado sistema inventado pelos romanos. No entanto, a introdução dos numerais indo-árabicos encontrou oposição do público, visto que estes símbolos dificultavam a leitura dos livros dos mercadores.
A introdução dos dez símbolos na Europa Ocidental foi lenta. O primeiro manuscrito francês onde são encontrados data de 1275.
O sistema de numeração Árabe é o sistema de numeração da civilização Européia. Também é denominado por sistema hindu, indo-árabe ou decimal. Teve a sua raiz nas línguas que estiveram na origem do latim e do grego e dos povos primitivos que o habitaram. Foi introduzido na Europa no final da Idade Média, contudo, o seu uso só foi generalizado no séc. XIV.
O sistema de numeração árabe ou decimal, (ou de base 10), é o mais utilizado nos dias de hoje. Para representar todos os números, empregam apenas 10 símbolos diferentes, os chamados algarismos árabes. Estes símbolos são: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e
zero (ou cifra - 0).
O símbolo correspondente a um número qualquer se compõe de vários algarismos dispostos, uns a seguir aos outros, correspondendo, os seus lugares, às diferentes ordens, a começar pela direita. Estes lugares denominam-se por casas: casa das unidades, casa das dezenas, Cada algarismo é, também, valorizado segundo a casa que ocupa, indicando a ordem dessas unidades, segundo a casa em que está situado. Não havendo unidades de certa ordem, a casa é ocupada por um zero. Deste modo, um algarismo colocado à esquerda de outro indica unidades da ordem imediatamente superior; colocado à direita, indica unidades de ordem imediatamente inferior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário